WhatsApp%20Image%202021-04-22%20at%2018.13_edited.jpg
Especialidades

 

Olá! O foco do meu trabalho está em lhe ajudar:
> a ter mais saúde e bem-estar na sua carreira;
> a potencializar suas habilidades;
> a construir caminhos autênticos através do autoconhecimento;
> a se sentir seguro/a.
Vai ser um prazer lhe auxiliar nesse caminho, agende sua sessão.
 

Minha História

 

Sabe aquela sensação de que eu não vim aqui para passear? Tenho essa sensação desde que me entendo por gente. Minhas dúvidas me levaram a respostas e tantas outras perguntas, aos poucos vou desconstruindo e reconstruindo meus propósitos fase a fase. 

Todas as noites que não dormi, todos os meus anseios me levaram a entender que eu  precisava começar pelo início: eu mesma. Conhecer de perto quem sou e enfrentar meus medos. Conhecer minha história e das gerações anteriores. Entender meus talentos e me desafiar a saber mais, sem nunca perder minha curiosidade e disposição para desenvolver.

Há dez anos me dedico a estudar a mente e o comportamento humano. Em 2008, iniciei minha jornada com o curso de Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais. Experimentei muitas linhas: entrei para a empresa júnior de RH do meu curso, fiz estágio em RH, em hospital, em clínica com criança, famílias, casais. Apaixonei-me por duas abordagens maravilhosas: a Gestalt e a Sistêmica. 

Aprofundei nessa última, atendi crianças, casais e famílias e ainda me aprofundo nela, estou na minha segunda formação em Intervenção Sistêmica. A sistêmica nos amplia o olhar e nos faz entender que nossas escolhas, inclusive a carreira e nossas dificuldades nela, têm muita relação com nossa história e nossa dinâmica familiar. Também conheci Centro de Convivência em Saúde Mental, dei oficinas, aprendi bastante. Trabalhei em empresas pequenas e em empresas maiores, nelas me desenvolvi, conheci pessoas maravilhosas e também chorei, tive minhas decepções e fiz grandes escolhas. 

Criei minha coragem, e fiz minha primeira grande mudança! Mudei de estado civil, mudei de cidade, de estado, sai do meu emprego. Era hora de poder ser mais eu, e sabia do fundo do coração que essa era a melhor decisão da minha vida e também a mais difícil!

Sustentar decisões difíceis demanda um arcabouço de ferramentas que a gente vai criando e entendendo a partir das nossas necessidades. Foi nesse momento que o Coaching e a Psicologia Positiva apareceram no meu caminho. O Coaching acrescentou duas coisas que eu sentia falta em minhas outras experiências profissionais, a conexão de saberes sem o julgamento de que um saber é melhor que o outro e uma metodologia prática que tem início, meio e fim. Enquanto a Psicologia Positiva me proporcionou algo que poucos psicólogos estudam: as qualidades do ser humano. Saber sobre nossas doenças é essencial para buscar saúde e saber sobre nossa saúde é a potência para sustentá-la. A Psicologia Positiva é uma abordagem nova e que decorre da Terapia Cognitiva Comportamental, uma abordagem bem pragmática que traz muitos recursos e organização interna.  

Finalmente veio o mestrado em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social na UFRJ. Eu me inscrevi no mestrado sem expectativa de entrar, meu currículo não era o melhor, mas sabe aquela frase clássica: "sem saber que era impossível, foi lá e fez"? Foi bem isso que aconteceu comigo, eu não tinha ideia do quanto era concorrido, e que bom que eu não sabia, pois assim deu certo. O mestrado veio abrir minha percepção para algo que nem imaginava que precisava, ele me trouxe mais perguntas do que respostas e me transformou tanto que ainda tenho que digerir tudo o que aconteceu. Minha tese foi sobre representações sociais, uma abordagem que uni comunicação, psicologia e sociologia, onde estudei juventude e autolesão através de uma cidade no interior de Minas Gerais. Vou publicar meu primeiro artigo em uma revista espanhola e estou bem empolgada com isso, pois o trabalho foi escolhido entre muitos  outros aqui do Brasil e acredito que pode contribuir com visões diferentes dos dilemas que enfrentamos.

Em essência, ser mestre em Ecologia Social é se reconhecer psicóloga no Brasil e entender a responsabilidade que é trabalhar aqui. O quanto que nós precisamos nos apoiar e ficar atentos para não reproduzir tantas injustiças do nosso mundo. Hoje tenho uma outra percepção do meu papel, tenho outra percepção do coaching e da psicologia e sei que para gente usar essas ferramentas é preciso muito conhecimento e muito respeito para levar bem-estar e saúde à população.

Esse é um resumo da minha trajetória, ela é única. E aposto que a sua também é. Há quase 6 anos atrás, quando comecei a atender online, fui muito criticada, não havia supervisor que quisesse me orientar e nem psicólogo que me aceitasse. Hoje, vendo todos eles na internet me dou uma grande abraço, pois me reconheço como alguém que vê as tendências de forma diferente com menos preconceitos e acredito que isso me faz abraçar a minha diferença e a dos outros. Ser único é, talvez, não ser plenamente aceito pelo entorno, mas isso não é razão para que você não se aceite. Seja bem-vindo, bem-vinda, bem-vinde.